As 7 perguntas mais frequentes sobre Captação de Recursos

6 de julho de 2017

Diariamente recebemos perguntas sobre captação de recursos financeiros e temas relacionados.

A seguir consolidamos informações sobre as perguntas mais frequentes:

1.     O que eu preciso saber sobre Captação de Recursos?

Quanto ao termo Captação de Recursos, os  “recursos” a que nos referimos podem ser financeiro, materiais ou pessoas na forma de voluntários.

 No caso de captação de recursos financeiros é importante ter consciência que o nosso maior objetivo deve ser sempre uma captação de longo prazo que provenha sustentabilidade às instituições. Para isso é preciso construir um relacionamento com os doadores, mantê-los engajados e  mostrar o quanto eles são importantes para causa e para a organização.

 

 2.      Quais são os principais tipos de captação de recursos financeiros ?

A captação de recursos financeiros requer um planejamento dentro de um calendário anual contemplando os mais diversos tipos de captação. Durante o período de captação é preciso gerir como um projeto: definir escopo, meta, prazo, recursos necessário para sua realização e outros.

 É muito importante não depender apenas de uma única fonte de recursos. Programe um calendário anual de captação de recursos que contemple eventos como rifa, bazar, jantar ou café beneficente, crowdfunding (financiamento coletivo online), participação em Editais e Prêmios, Emendas Parlamentares, campanhas de apadrinhamento, doe seu troco, venda de produtos solidários, bazares,etc

 

 3.     Como fidelizar um doador?

Criar um relacionamento com um doador é um processo muito parecido como cultivar uma amizade. A fidelização é um passo a mais!

Para isso temos que contar com uma comunicação e gratidão frequente.

A comunicação pode ser feita por meio de emails, telefonemas,notas, convites, lembranças e conteúdos de interesse. Seja pessoal e lembre-se que as pessoas esperam um relacionamento aberto, honesto e autêntico.  Crie uma mensagens carinhosa e, se possível, personalizada.

 Não esqueça que o doador faz acontecer! É na gratidão que mostramos isso. Agradeça! O doador deve sempre receber créditos. Relacione os feitos e as conquistas que foram possíveis graças a doações e apresente-os de forma a manter o doador envolvido e como parte da Organização. Assim, você só tem a ganhar!

Recomendo o ebook Técnicas de Abordagem para Conquistar e Fidelizar Doadores que contém informações bem detalhadas.

 

 4.     Como lidar com voluntários ?

Fazer uma gestão adequada de talentos com as pessoas certas nas tarefas certas é essencial numa organização sem fins lucrativos.

Descubra os reais interesses e trate seus voluntários com carinho, presenteie , cumprimente-os em datas comemorativas, ofereça certificado, premiações e destaques. Promova o dia do Voluntariado!

Atenção! Faça contrato de voluntariado e controle as horas trabalhadas por semana. Lamentavelmente, existem pessoas com má fé. Oriente-se com um advogado trabalhista. Leia também Gestão de Voluntariado no Terceiro Setor.

 

5.     Quais são as chances de pequenas organizações competir por oportunidades em Editais?

É um mito achar que as maiores organizações são mais privilegiadas. Qualquer entidade que esteja preparada como preencher corretamente os requisitos do edital, caprichar no conteúdo dos anexos e na apresentação do projeto têm as mesmas chances de sucesso.

  

cranium-2028555_6406.     Quais são as tendências da captação de recursos financeiros ?

Com a crise econômica, observamos um movimento positivo das organizações em direção a profissionalizar a captação de recursos financeiros , inclusive preparando mão de obra dedicada.

Outra realidade são os computadores e smartphones como parte das nossas vidas.  A captação de recursos financeira online no Terceiro Setor vem de forma ainda tímida acompanhar esse movimento. No entanto, prevejo que a captação evoluirá para soluções tecnológicas.

Acredito na democratização da informação para além das grandes capitais por meio de cursos e consultorias a distância, troca de informações por meio de webinários, campanhas de crowdfunding com suporte de marketing digital, campanhas  filantrópicas integradas com descontos de lojistas, sendo tudo automatizado.

As entidades têm pouca mão de obra e daí temos que tirar vantagem da automação!

 

7.      No Brasil, não há cultura de doação.

Não há cultura de doação talvez porque não haja cultura de solicitação. O brasileiro é um povo solidário então precisamos implementar a cultura de “pedir”. Para isso é necessário saber pedir.

No caso de pedir para pessoa física saiba sensibilizar, mostrar o que a doação realizou de tangível, aonde a doação será destinada, quantas pessoas serão beneficiadas. Envolver o doador para que ele(a) faça parte do programa da instituição e saiba a diferença que fez na vida de uma pessoa.

Quanto as pessoas jurídicas (empresas), percebo que há muita dificuldade por parte das organizações no ato de pedir doações.  Simplesmente concentram-se no institucional ou vão direto ao problema que é a falta de dinheiro. Transformam o encontro com o potencial doador em uma transação financeira, ou seja, perde-se uma oportunidade de falar com o coração e de conquistar a causa.

 

 

Doarse

 

Hosana Cabral